s

Italy Bike Tour

Maratona das Dolomitas: experiência 2015

Se existe um reino das provas de ciclismo na Itália, a Maratona das Dolomitas é a rainha!

 

Pouco conhecida por brasileiros, mas muito amada e cobiçada por europeus, australianos e americanos a Maratona das Dolomitas é a rainhas das granfondos. São mais 35.000 pedidos de inscrição para um máximo de 9.000 participantes. É um desejo de todos, um sonho para muitos e uma realidade para poucos. Garantir a própria vaga não é coisa fácil, tornando esta prova ainda mais exclusiva.

Este ano participaram 64 nacionalidades, dentre elas o Brasil com 19 ciclistas.

PERCURSOS

Esta granfondo propõe 3 percursos, com diferentes níveis de dificuldade:

 

Percurso longo com 138 km e 4.320 de ascensão

 

Percurso médio com 106 km e 3.130 de ascensão

 

 

Percurso curto com 55 km e 1.780 de ascensão

 

O ambiente natural é um conto de fadas e será ele o grande protagonista.

O suor, o esforço e o cansaço serão amenizados com um panorama de tirar o folego. Será suficiente levantar a cabeça, respirar profundamente que a beleza, a energia e o ar puro destas montanhas te darão motivos para continuar. Com certeza não faltarão amigos e companheiros durante o trajeto.

 

O despertador toca cedo, às 4.00 e logo logo você já sente aquele perfume de brioche fresca no ar. Bastam poucos minutos e você percebe não estar sozinho. Descendo para o café da manha, acompanhado pelo tic tac das sapatilhas no pavimento, é o sinal que a hora esta chegando.

Rigorosamente às 6.30 a banda toca e a pistola dispara! O frio na barriga aumenta mas é o momento de se concentrar e enfrentar as subidas míticas percorridas pelo Giro d’Italia.

A primeira delas é o Passo Campolongo, uma das mais bonitas e que representa um dos cartões postais das Dolomitas. É a hora que o helicóptero captura as imagens fascinantes desta grande serpentina de ciclistas que pouco a pouco conquista os primeiros 1.815 metros de altitude. Os primeiros 55 km são comuns a todos os percursos até a cidade de Corvara. Aqui temos a opção de continuar para encarar outras subidas até Cernadoi, onde o percurso médio e longo se dividem. O percurso médio prossegue em direção ao Passo Falzarego e Valparola alcançando 2.200 metros de altitude. Já o percurso longo enfrenta antes o temido Passo Giau, cerca de 10 kms com uma pendência média de 9,1%, para depois prosseguir concluindo com um total de 7 montanhas e 138 km.

 

Nesta edição não faltou a surpresa: o Mur dl Giat, ou seja o Muro do Gato. Este é o ultimo esforço que estes guerreiros enfrentam. Uma subida curta onde é necessário tirar suas garras para fora. Com uma pendência média elevada e pontas de 19%, faz muita gente miar!

 

Aqui a festa é garantida! Todo o público presente gritando e incentivando a cada pedalada. Obviamente não é fácil e nem todos conseguem, por isso foi permitido a famosa empurradinha.

 

A CADA ANO UM TEMA – MARATONA DAS DOLOMITAS

A cada ano a organização escolhe um tema . Ano passado foi o TEMPO, este ano o argumento escolhido foi o perdão!

Você pode se perguntar, o que isso tem haver com pedalar? A resposta não é fácil. É necessário viver este clima para entender que a Maratona das Dolomitas é muito mais que uma prova de ciclismo. O clima de festa, a hospitalidade do povo, a solidariedade dos voluntários, a preocupação com a natureza, transforma qualquer duro coração em amante deste esporte. Segundo Michil Costa, presidente da Maratona das Dolomitas, quanto mais leve somos, mais forte podemos pedalar. Então vamos lá, aligeirar o mundo tornando mais leve a nós mesmos.

 

CONSELHOS PARA MARATONA DAS DOLOMITAS

Que você decida pelo percurso curto, médio ou longo é sempre importante seguir alguns conselhos fundamentais.

Comece lentamente, respeitando o seu ritmo. Não se deixe levar pelo euforia dos outros grupos. O percurso é longo e queimando tudo no inicio, o “fogo” irá acabar cedo.

Para quem enfrentará o percurso longo é necessário uma relação posterior com mínimo um 28, ou serão lágrimas ardidas!

A escolha do vestuário é de extrema importância e requer um pouco de atenção e experiência do clima local. Estamos em alta montanha e o clima pode mudar repentinamente. A primeira coisa a fazer é verificar as previsões e não se deixe influenciar pelas decisões de outros ciclistas, mesmo porque a percepção do frio dos europeus é muito diferente da nossa.

Este ano foi extremamente quente, era suficiente um corta vento para as descidas. Já pela manha o termômetro marcava 16 graus, tocando pontas de 30 graus durante o dia. Porém não é sempre assim. Exatamente há 2 anos atrás os ciclistas foram surpreendidos com um nevisco dias antes, fazendo a temperatura cair para 5 graus no momento da partida.

Meu conselho é sempre chegar uns dias antes para se aclimatar e verificar parte dos percursos.

Meu último conselho: pedale, aproveite e divirta-se! É muito fácil se deixar levar pelo espírito competitivo, mas posso te garantir que esta prova é única… panorama, diversão, comida e amigos não têm preço! 

Anote na sua agenda 04 julho de 2016, e venha participar conosco deste grande evento.

As inscrições para brasileiros já estão abertas!

 

Clique aqui para saber como participar