s

Italy Bike Tour

Maratona das Dolomitas 2016

Experiencia de Flavia Teixeira Camello – Maratona das Dolomitas 2016

Maratona dles Dolomites: um conto de fadas do ciclismo

 

Sim…confesso… sou daquelas pessoas que não conseguem resistir a um bom desafio! E quando o desafio envolve um esporte encantador como o ciclismo e um roteiro fascinante de viagem? Ahh…toda e qualquer cogitação em resistir cai por terra!

Como o destino se encarrega do restante, ou seja, colocar no caminho as pessoas certas no momento certo, recebi o convite da Italy Bike Tour – a melhor associação que promove cicloturismo na Italia, através da sua proprietária Cecilia Rocha Mendes, para participar da rainha dos granfondos, a Maratona dles Dolomites!

Claro que na mesma hora meus olhos brilharam e o coração disparou pelo simples fato de me imaginar pedalando naquele cenário estonteante, em meio a mais de nove mil ciclistas de sessenta e duas nacionalidades diferentes, enfrentando legendarias subidas como Campolongo, Sella, Pordoi, Gardena, Giau, Falzarego e Valparola, num evento tão tradicional que todo o percurso da prova é fechado para o transito dos veículos automotores.

Passagens compradas e malas prontas, viajei com o conforto de levar somente meus itens pessoais para o turismo e para pedalar (capacete, sapatilha e pedais). A Italy Bike Tour, sempre prezando em oferecer o mais completo serviço, alugou a bike, não menos que uma Cipollini e fez os ajustes condizentes com as minhas medidas .

Totalmente merecedora do titulo de Patrimônio Mundial da Unesco, as Dolomitas é de uma beleza estonteante! Seduzida pela paisagem, fui tirando fotos e mais fotos, no intuito de registrar todos os nuances daquelas montanhas. Na vila Alta Badia, a infraestrutura prima por atender o turista de forma sofisticada com seus hotéis requintados, uma deliciosa gastronomia e gentis habitantes.

Houve tempo para tudo desde a retirada do kit e visita à feira de exposição da prova até comprinhas em bike shops (afinal, qual ciclista não quer ver as novidades ou não precisa de alguma coisinha… nem que seja mais uma câmara e um tube de CO2 reservas no caso do pneu furar, uma capa de chuva, ou um modelo novo de luz de led para a bike???). Dois dias antes da prova, fizemos um treino importante para testar as bikes e familiarizar com o percurso Sellaronda acompanhados pelos guias e carro de apoio da Italy Bike Tour.

A organização da prova propõe ao participante três percursos: o Sellaronda, com 55 km e 1.780 m de ascensão, o percurso médio, com 106 km e 3.130m de ascensão e a Maratona, com 138 km e 4.230 m de ascensão.

 

A largada, muito bem organizada e sinalizada, é na Villa e ocorre em ondas, respeitando o numero da inscrição. Assim o cenário que se apresenta: um “mar” de ciclistas em meio as montanhas, cada um com suas expectativas (eu, em particular, estava até com um friozinho na barriga…) e com um helicóptero sobrevoando… De arrepiar!! Então… é dada a largada!

O percurso do Sellaronda (Passo Campolongo – Arraba – Passo Pordoi – Loc. Roja – Passo Sella – Plan de Gralba – Passo Gardena – Corvara) é comum a todos. Aqueles que optam pelos 106, depois de Corvara, enfrentam novamente o Passo Campolongo, para subirem Falzarego, Valparola, passando por San Cassiano e La Villa antes de finalizarem em Corvara. Aos Maratonistas, antes de Falzarego, e ja com 97 kms pedalados, fica reservado o tao famoso Passo Giau, 9,9 km de extensão e 9,3 % de inclinação media!!!

No meu caso, achei sensato optar pelo percurso médio e tive certeza dessa sensatez quando enfrentei o Falzarego, com seus 9,4 kms, mas com as pernas sentindo todo esforço feito nos 85 km pedalados….

A Maratona Dles Dolomites é uma prova dura, que requer preparação física e psicológica, tanto para os iniciantes, cuja expectativa é completar o percurso escolhido, quanto para aqueles com vontade de melhorar a performance e bater metas de tempo. Somam-se, ainda, vários fatores externos como, por exemplo, a grande variação climática nas montanhas. Além do vento gelado nas descidas, a previsão, nos dias que antecederam a prova, era de frio e dependendo do horário, chuva.

Me preparei, colocando uma segunda pele, a blusa, o corta vento e ainda um casaco impermeável. Sim, nos deparamos com um céu nublado mas a temperatura estava amena, inclusive nas descidas. Temendo entrar em “overheating,” tive que me virar para guardar casaco e scarfe que estavam em excesso na minha vestimenta e não me descuidei da hidratação.

Sempre lembro do conselho do meu técnico, da minha nutricionista e dos atletas mais experientes: não se pode descuidar da hidratação e nem da alimentação. Caso contrario, paga-se um preço alto pois a quebra é certa! Neste aspecto, mais uma vez a organização esteve de parabéns, colocando postos de hidratação e de alimentação estratégicos e oferecendo com fartura agua, coca-cola, repositor de sais minerais, frutas, waffles, sanduiches de presunto e tortinhas.

 

Enfim…. prova de endurance é isto: se preparar fisicamente, se condicionar psicologicamente para ficar um longo período em atividade e montar sua própria estratégia. Na Maratona Dles Dolomites, esse conjunto solidifica o desafio e a paisagem deslumbrante das montanhas o veste de encantamento.

Quando cruzei a linha de chegada, fui tomada pela emoção única de haver completado meu primeiro granfondo e no mais alto estilo! Vivendo um conto de fadas do ciclismo, participei da trigésima edição da Maratona Dles Dolomites!!! Toda a minha gratidão a Italy Bike Tour por esta inesquecível experiência!

 

Não quer ficar de fora né?

Entao confira aqui para participar da Maratona das Dolomitas 2017